quinta-feira, 27 de abril de 2017

Pênis feito de marfim do século XIX é posto em leilão na Irlanda

Um objeto da era vitoriana, feito do mais puro marfim e pertencente a uma das mais famosas famílias anglo-irlandesas foi posto em leilão neste fim de semana, no Candado de Meath, no leste da Irlanda, a 47 quilômetros de Dublin. Em um país tão marcado pela tradição e cuidado com sua história, isso não seria uma surpresa. O fato curioso é que o objeto em questão não é nada menos que um avantajado pênis de marfim.

Medindo cerca de 20 centímetros de comprimento, o pênis de marfim – que é comercializado dentro de uma caixa especial de madeira, forrada por couro – está sendo vendido pela empresa Matthews Auction, com sede em Dublin, também pela internet. O preço estimado do artigo fica entre 500 e 800 euros.

De acordo com o Irish Times , o brinquedo sexual deve ter sido esculpido por volta de 1890. O marfim, porém, data de 1840. "Acreditamos que o dono original, que estava na Índia na década de 1840, matou um elefante e trouxe a sua presa para casa", diz o leiloeiro Damien Matthews.



Presente amoroso

Matthews acredita que, posteriormente, um dos descendentes desse homem foi lutar na Revolta dos Boxers, na China, e levou o chifre de elefante para fazer um presente para sua esposa.

"Sem saber se voltaria vivo para casa, o guerreiro transformou a presa do elefante em uma cópia em tamanho real do seu próprio pênis, para que sua amada tivesse isso em mãos quando sentisse saudades", explicou.

Famosos por esculpir marfim, os chineses teriam feito o detalhado trabalho sobre a presa do elefante. O presente amoroso conta com marcas de pele dobrada, relevos que lembram veias e, inclusive, um coração esculpido na base.

O fato é que o homem voltou vivo para a Irlanda, com o presente em mãos. Por lá, um serralheiro irlandês teria feito a caixa de couro sob medida, acrescentando um selo na fechadura, detalhe que garante que o item foi finalizado na Irlanda.

"Você tem que lembrar que, nos tempos vitorianos, a quantidade de pessoas que poderiam se dar ao luxo de criar algo assim era pequena. Afinal, 99% do país estava tentando sobreviver", relembra Matthews. Na época, a preocupação com o prazer feminino também não era comum.

"Por isso, apenas 400 ou 500 famílias no país tinham condições de ter posse de algo assim. Não é apenas um pedaço de arte erótica, é uma obra de arte e um fascinante pedaço da nossa história social", alerta o leiloeiro sobre o pênis de marfim.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Espermas carregados com drogas de quimioterapia podem ser usados para combater o câncer em mulheres.

A técnica de mísseis guiados envolve o uso de espermatozoides tratados com drogas para administrar os medicamentos em tumores profundos dentro do corpo.

O tratamento revolucionário poderá ajudar milhares de mulheres afetadas por cânceres do sistema reprodutivo, que podem ser alcançadas pelo esperma portador de drogas. Câncer do útero mata mais de 2.000 mulheres por ano no Reino Unido e câncer do colo do útero de cerca de 900.


O tratamento inclui quimioterapia para tentar envenenar as células cancerosas antes que se espalhem.

Mas isso também prejudica as células saudáveis. Por anos, os cientistas têm explorado maneiras de entregar medicamentos anti-câncer diretamente aos locais do tumor, deixando os tecidos saudáveis ​​seguros.

Um método utilizando bactérias como forma de transporte, podem penetrar o corpo facilmente.

Mas embora a técnica fosse relativamente eficaz em colocar drogas de quimioterapia dentro do corpo, o sistema imunológico muitas vezes destruiu as bactérias (que viu como um invasor) antes de chegarem ao seu destino.

Usando o esperma não ocorre este problema porque ele não é atacado pelo sistema imunológico da mulher.

Isto é pensado porque, em sua superfície, o esperma carrega determinadas moléculas do açúcar - glicoproteínas - que são reconhecidas por todos os sistemas imunológicos humanos, permitindo a passagem segura através do corpo.

Cientistas do Instituto de Nanociências Integrativas em Dresden, na Alemanha, optaram por experimentar o transporte com espermatozoides por causa de sua capacidade de se propelir através do trato reprodutivo.

Os espermatozoides se movem para frente, batendo a longa cauda - ou flagelo - para alcançar as trompas de falópio e tentar fertilizar o óvulo.

Os pesquisadores se perguntaram se isso poderia ser utilizado para dirigir espermatozoides portadores de medicamentos para tumores difíceis de alcançar nos tratos reprodutivos das mulheres. Eles estão aperfeiçoando a técnica para garantir que eles possam direcionar aos tumores com precisão para que não ocorra gravidez.

Em um estudo recente, os cientistas começaram por embeber espermatozoides individuais em uma droga de quimioterapia chamada doxorrubicina por várias horas. Doxorrubicina é uma droga comumente usada que trata muitos cânceres e funciona bloqueando uma enzima, chamada topoisomerase 2, que as células cancerosas precisam para crescer.

Em seguida, eles cobriram cada esperma em arnês de metal em miniatura, não maior do que uma cabeça de alfinete, que foi revestido com uma solução de ferro.

Uma vez que o esperma é injetado na vagina, propulsa-se automaticamente na direção do colo do útero. Mas a solução de ferro significa que os cientistas podem dirigir a carga exatamente onde ela precisa ir no corpo, usando um poderoso ímã colocado sobre a pelve e imagens de ultra-som para navegar.

Uma vez que atinge o tumor, o espermatozoide tóxico é capaz de penetrar facilmente as células malignas, da mesma forma como ele se funde com o óvulo durante a fertilização.

O arnês tem quatro "garras" que se prendem à célula cancerígena e no impacto, o esperma e a droga irrompem até a membrana externa do tumor.

Isso permite que o medicamento penetre na célula cancerosa, matando-a. O arnês é quebrado e embutido ao corpo.

Até agora, a técnica foi testada no laboratório usando esperma de touro, que se assemelha muito ao esperma humano, e células de câncer em um prato.

Mas os resultados, enviados para o banco de dados on-line arXiv, mostraram que, embora o arnês de ferro tenha reduzido para metade a velocidade com que os espermatozoides normalmente viajam, eles ainda conseguiam encontrar as células cancerosas com precisão e destruí-las.

Agora a equipe planeja testar a terapia no esperma humano antes de estendê-la aos pacientes com câncer, possivelmente dentro de cinco anos.

Tracie Miles, enfermeira no Eve Appeal - uma instituição de caridade que ajuda as mulheres com condições cervicais, ovarianas ou do útero - diz que a técnica poderá ser usada para administrar outros medicamentos contra o câncer no futuro.

"Esta nova forma de entrega de medicamentos aproveita a engenhosidade da natureza em usar o esperma como um potencial tratamento para o câncer".

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Injeção de Toxina Botulínica pode ser viável para tratar Disfunção Erétil

Embora mais pesquisas sejam necessárias, as injeções de toxina botulínica A - Botox - podem ser uma terapia viável para homens com Disfunção Erétil (DE), de acordo com um artigo recente no Journal of Sexual Medicine.

A abordagem "representa um caminho promissor para futuras pesquisas experimentais e clínicas para o tratamento da DE", observaram os autores.

O Botox, desenvolvido a partir de uma neurotoxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum, é por vezes utilizado para tratar a sudorese excessiva, bexiga hiperativa e enxaqueca crônica, entre outras condições. Também é usado cosmeticamente, para alisar rugas. A droga enfraquece os músculos e nervos visados.

O Botox também pode
ser utilizado para
em estado flácido

Até agora, os estudos sobre uso do Botox para DE incluem estudos em animais e um pequeno estudo piloto envolvendo doze homens. No entanto, os resultados encorajadores podem fazer do Botox um caminho a explorar.

Outros tratamentos para Disfunção Erétil estão disponíveis, mas não são apropriados para todos os homens. Por exemplo, os inibidores da fosfodiesterase tipo 5 (PDE5) não são seguros para os homens que tomam nitratos porque a interação pode causar uma queda perigosa na pressão sanguínea. Além disso, muitos homens não respondem às drogas.

Auto-injeções são outra opção, mas a ideia faz alguns homens desistirem. E dispositivos de vácuo, ativados por uma bomba especial, podem ser pesados.

Pensa-se que o Botox poderia ajudar a relaxar o tecido muscular liso e, por sua vez, permitir que mais sangue flua para o pênis, criando uma ereção rígida.

"A capacidade de diminuir a resistência dos vasos, aumentar o fluxo sanguíneo em repouso e inibir o tônus ​​de músculo liso cavernoso persistente pode permitir que muitos homens atualmente com DE ou em alguns homens que não respondem a agentes orais ou injetáveis ​​possa responder a terapia menos invasiva ou talvez não exigir nenhuma terapia", explicaram os autores.

Injeções de Botox podem ser eficaz por vários meses.

A droga tem efeitos colaterais, no entanto. Sintomas como gripe, náuseas e dores de cabeça são possíveis. Além disso, uma vez que o Botox é feito a partir da toxina que provoca o botulismo, um tipo de intoxicação alimentar, é importante que os pacientes recebam doses muito pequenas.

Os especialistas alertam que, embora isso represente uma área promissora de tratamento, até que a segurança e a eficácia possam ser mais estudados, ela só deve ser realizada em ensaios clínicos sob supervisão de um comitê de revisão institucional. Os pacientes devem ser advertidos sobre a procura deste tratamento fora de um ensaio clínico, uma vez que tem o potencial de resultar em uma ereção prolongada (priapismo) que pode danificar permanentemente o pênis.



Para saber mais sobre tratamentos para Disfunção Erétil, Impotência e Prótese Peniana entre em contato com a Clínica Dantas: www.aumentopenianodantas.com.br