sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Sobre o tamanho do pênis


Regina Navarro Lins
A maioria das pessoas que responderam à enquete da semana acredita que o tamanho do pênis faz os homens sofrerem. Não adianta médicos, revistas femininas, e mesmo algumas mulheres afirmarem que é o desempenho, e não o tamanho do pênis, que importa. Nada convencerá o homem de que o maior não é necessariamente o melhor.
Na realidade, quase todos os homens gostariam de ter um pênis maior — embora provavelmente não tão grande como o que bateu o recorde mundial: 34 cm e impossível de ficar ereto. Ao contrário do que se pensa, não existe relação entre a altura do homem, o tamanho das suas mãos, pés ou nariz com o seu pênis, e também entre as medidas de seu pênis flácido e ereto. Mas apesar de qualquer avaliação e de todas as especulações, a esmagadora maioria tem pênis de tamanho médio. Por que, então, se preocupar tanto?
Não só no Ocidente, mas em quase todas as sociedades patriarcais, o tamanho do pênis é associado à força e à potência. Acredita-se ser prova de masculinidade, e desde pequenos os meninos são condicionados por esse mito. Nas antigas estátuas egípcias, com pênis imensos, já fica clara a importância que davam a esse órgão. E entre os Hausa, da África, os homens se gabam em suas canções de que são “quebradores de vagina”, tanto por seu poder pessoal quanto pelo tamanho do seu pênis.
Nos Estados Unidos, um estudo mostrou que o medo de ter pênis pequeno é uma das fontes mais frequentes da ansiedade sexual masculina. Mesmo sem motivo real, o homem pode se sentir inseguro, acreditando-se incapaz de satisfazer a parceira. Isso sem falar na competição com os outros homens e no medo de que as mulheres comentem o fato entre si. Com a autoestima tão abalada, muitos se retraem, chegando a evitar qualquer contato sexual.
Entretanto, um pênis grande é sempre admirado e fonte de orgulho para o homem. Tanto que existe um clube em Los Angeles, ‘The Hung Jury’, em que os frequentadores se consideram privilegiados. Para ser sócio é obrigatório ter pênis de mais de 20 cm, quando ereto, e para serem admitidos tiveram que provar isso a uma mulher encarregada da medição, que os visitou em suas casas munida de fita métrica.
E as mulheres, o que preferem, realmente? No mundo inteiro pesquisas demonstram que o tamanho do pênis é por certo significativo. Mas há uma interessante diferença na maneira com que homens e mulheres o consideram. Quando se pergunta a um homem qual ele escolheria entre um pênis comprido e um grosso, ele usualmente opta pelo comprimento.
Se a mesma pergunta é feita às mulheres, as que tiveram apenas um ou dois parceiros dizem que tamanho não faz diferença. Mas as que tiveram vários parceiros, invariavelmente optam pela grossura. Muitas declararam que o pênis ideal é o que for grosso o bastante para forçar a entrada da vagina e friccioná-la, para a mulher senti-lo dentro dela ao fazer sexo, provocando uma sensação de preenchimento. Afinal, o orgasmo feminino não depende da penetração profunda, não sendo necessário um pênis longo.
Quando o homem não se conforma com o comprimento ou a grossura do seu pênis e deseja mudar isso pode procurar um médico especializado. Mas segundo especialistas, somente 2 % dos homens têm indicação de cirurgia para aumentar o órgão sexual: os que têm pênis com menos de 7 cm de comprimento e 8,8 cm de circunferência durante a ereção. Em geral, pênis de até 12 cm é classificado como pequeno, de 13 a 16, médio e de 17 a 24, grande.
Embora alguns médicos não aceitem essas recomendações e acreditem que o efeito psicológico de uma operação pode ser positivo, talvez existam formas mais simples de resolver o problema. Além de exercícios para aumentar o tamanho do pênis, como os que estão no livro O orgasmo múltiplo do homem, a maior parte das mulheres, mesmo preferindo pênis maiores, concorda que a habilidade do parceiro para usar seu pênis é tão importante quanto o tamanho.
Assim como o toque, o jeito de olhar, a tranquilidade — ao contrário da pressa em ejacular. É que as maiores queixas das mulheres no sexo não são em relação ao tamanho do pênis, e sim quanto à sintonia que o homem estabelece com a parceira.
Fonte: Uol

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Anorgasmia: Por que tenho tanta dificuldade em atingir o orgasmo?

Existem mulheres que nunca tiveram orgasmo e as que experimentaram a sensação somente algumas vezes, descubra o porquê

A anorgasmia - dificuldade na obtenção do orgasmo - pode ser vista em três fases. A primária diz respeito às mulheres que, desde o início da vida sexual não obtiveram orgasmo. A secundária diz respeito às mulheres que já experimentaram o orgasmo algumas vezes e, por algum motivo (muitas vezes não aparente), deixaram de tê-lo. A situacional refere-se às mulheres que tiveram orgasmos uma ou mais vezes, mas só sob certas condições.

O orgasmo é uma descarga de tensão muscular numa série de contrações. Não tem uma expressão única: difere de um sexo para outro, de uma pessoa para outra e de uma experiência para outra. Não existe um tipo ou tempo certos para o orgasmo. Cada mulher experimenta diferentemente o tipo e intensidade de estimulação que leva ao orgasmo.

O diagnóstico do transtorno orgásmico é fundamentado no julgamento clínico de que a capacidade orgásmica da mulher é menor do que se poderia esperar para sua idade, experiência sexual e o tipo de estimulação sexual que recebe.

O transtorno orgásmico feminino não possui causas físicas, isto é, não existe no corpo feminino normal nada que possa explicar a ausência de orgasmos.

E não está ligado a nenhum outro transtorno mental, a não ser a outras disfunções sexuais. Este transtorno está ligado a questões psicológicas da mulher que o vivencia, sendo: educação sexual adquirida, moléstia sexual, repressão, falta de conhecimento de seu próprio corpo, inexistência de comunicação ou intimidade adequada entre o casal.

O orgasmo é um fato complexo em que intervêm fatores fisiológicos, endócrinos e predominantemente, fatores psicológicos.

A mulher que apresenta esta dificuldade revela características marcantes: é desconfiada, controladora (consegue saber sobre tudo que passa à sua volta), dominadora, tem medo de ser abandonada, medo de afirmar a independência, sentimento de culpa frente à sexualidade, hostilidade em relação ao parceiro, medo de perder o controle sobre sensações e comportamento, apresenta como mecanismo de defesa o supercontrole.

A mulher de hoje sabe do direito ao orgasmo, porém, muitas vezes esquece que assim como andar e escrever, o orgasmo é aprendido.

Mitos e conceitos distorcidos sobre o orgasmo se perpetuam em nossa cultura deixando muitas mulheres sentirem-se desconfortáveis por não se enquadrarem neste atual padrão imposto. Você, mulher, tem o direito de viver sua sexualidade de forma plena.

Eliane Marçal - psicóloga clínica e hipnoterapeuta (Londrina)

Fonte: Bonde

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Ultrassom nos testículos 'pode ser novo contraceptivo masculino'

Estudo feito em ratos mostrou que duas aplicações de 15 minutos reduzem o número de células produtoras de esperma

 

A aplicação de ultrassom nos testículos pode suspender a produção de esperma, segundo pesquisadores que estudam uma nova forma de contracepção masculina.

Um estudo com ratos, publicado na revista científica Reproductive Biology and Endocrinology, mostrou que as ondas de ultrassom podem ser usadas para reduzir a contagem de esperma a níveis considerados inférteis em humanos.


Os cientistas descrevem o ultrassom como um "candidato promissor" como contraceptivo, mas novos testes ainda serão necessários para garantir que o método é seguro e que o efeito é reversível.


O conceito de usar as ondas sonoras para reduzir a fertilidade masculina surgiu nos anos 70, mas agora está sendo explorado a fundo por pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, que receberam financiamento da Fundação Bill & Melinda Gates.



'Água salgada'

 

O mais recente estudo descobriu que duas aplicações de 15 minutos "reduzem significativamente" o número de células produtoras de esperma e a contagem de esperma.

As sessões se mostraram mais eficazes quando realizadas com um intervalo de dois dias e através de água morna salgada.


Em humanos, segundo os pesquisadores, homens são considerados subférteis quando sua contagem de esperma fica abaixo dos 15 milhões/ml. A contagem de esperma nos ratos ficou abaixo de 10 milhões/ml.
"Ainda precisamos de mais estudos para determinar por quanto tempo dura o efeito contraceptivo e se é seguro utilizá-lo múltiplas vezes", disse o líder da pesquisa James Tsuruta.

A equipe também precisa garantir que o efeito do ultrassom será totalmente reversível, podendo ser usado com contraceptivo e não como esterilização, além de analisar se pode haver danos cumulativos com a repetição das aplicações.


"A ideia é boa, mas ainda é necessário muito trabalho", disse o professor de andrologia da Universidade de Sheffield, na Grã-Bretanha, Allan Pacey.


Segundo ele, é provável que a produção de esperma volte ao normal após as aplicações, mas "os espermatozóides podem ficar danificados e qualquer bebê que venha deles pode ter problemas".


"A última coisa que queremos é um dano prolongado ao esperma."
 

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/ultrassom-nos-testiculos-pode-ser-novo-contraceptivo-masculino/n1597605727812.html

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Células-tronco podem aumentar pênis e ereção


Médicos desenvolvem técnica que altera órgãos sexuais de ratos


Rio - Células-tronco podem começar a ser usadas para aumentar o pênis e a ereção. Uma nova técnica criada por médicos americanos mostrou que esse tipo de célula, retirada da gordura do próprio paciente, é mais eficaz em enxertos penianos do que o procedimento normal, que usa somente células da mucosa do intestino.

Pelo novo método, as células-tronco são adicionadas à mucosa do intestino no enxerto. O implante é feito em uma parte do pênis conhecida como túnica “albugínea”: camada que envolve a parte que recebe o sangue e aumenta de volume durante a ereção.

Na pesquisa, os cientistas da Universidade Tulane, em Nova Orleans (EUA), usaram dois grupos de ratos: o primeiro passou por uma cirurgia com os enxertos de células-tronco. O segundo, com o procedimento normal. Os ratos do primeiro grupo não só ficaram com o pênis maior do que os dos demais, como também tiveram mais ereções: ou seja, ficaram mais “potentes”.

Mas os médicos não querem que a técnica seja aplicada por questões estéticas. “Infelizmente, isso pode ser explorado por charlatães que fazem operações de aumento de pênis. Eu não acredito nesse tipo de cirurgia, a menos que o paciente tenha um micropênis diagnosticado”, disse Wayne Hellstrom, um dos autores do estudo. O teste não foi feito em humanos.

Fonte: http://odia.ig.com.br/portal/cienciaesaude/html/2012/1/celulas_tronco_podem_aumentar_penis_e_erecao_220409.html

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Por alto número de casos de câncer de pênis, homens devem se vacinar contra HPV no Brasil


Lilian Ferreira
Do UOL, em São Paulo

 HPV está associado à metade dos casos de câncer de pênis
O Ministério da Saúde discute incluir a vacina contra o HPV (papilomavírus humano) no Programa Nacional de Imunização. Se aprovada, a vacina será para meninas de 9 anos a 13 anos, com custo em torno de R$ 600 milhões anuais. Apesar disso, o secretário da Comissão de Doenças Infecto-Contagiosas em Ginecologia e Obstetrícia da Febrasgo, José Eleutério Junior, acredita que a vacina também deveria ser aplicada em homens.

Há uma intensa discussão científica global sobre o público alvo destas campanhas públicas. Isto porque o HPV está relacionado a praticamente 100% dos casos de câncer de colo de útero (o segundo que mais afeta as mulheres), mas também está associado a pelo menos metade dos casos de câncer de pênis.

“No Brasil, em especial, é aconselhável vacinar homens porque a incidência de verrugas é alta. O país é o segundo com maior número de casos de câncer de pênis no mundo. São de 5 a 11 casos para 100 mil habitantes, dependendo da região. Nos EUA, é 0,5 para 100 mil”, explica.

O HPV é a doença sexualmente transmissível mais frequente no mundo. Dados indicam que 80% da população entrou em contato com o vírus alguma vez na vida. Segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer), 25% das brasileiras estão infectadas, apesar de só 3% a 10% delas desenvolverem um câncer relacionado.

O lado masculino


Um estudo holandês publicado no periódico PLoS Medicine de dezembro de 2011 discute a eficiência das campanhas públicas de vacinação apenas para meninas. As conclusões são de que, apesar de a transmissão de homens para mulheres ser mais ineficiente, o que tornaria a vacinação de homens mais efetiva para reduzir a infecção em todos os níveis, as campanhas atuais têm sido suficientes.

Jeremy D. Goldhaber-Fiebert, professor da Universidade de Stanford, nos EUA, escreveu um editorial sobre o artigo em que afirma que a vacinação masculina não só diminuiria as doenças relacionadas ao HPV diretamente nos homens, como também reduziria a circulação do HPV na população, indiretamente melhorando a proteção das mulheres. Entretanto, o estudo conclui que a melhor estratégia é que a cobertura da vacinação contra o HPV em mulheres seja o mais abrangente possível.

No Brasil, o projeto de lei da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) propõe a vacinação gratuita para mulheres entre 9 a 40 anos, porém o Ministério da Saúde é contra a inclusão da vacina por lei e prevê a vacinação na rede pública apenas para meninas de 9 a 13 anos. Para o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, a ampliação do acesso ao exame de papanicolau e a melhoria do tratamento das lesões seriam a melhor solução para as mulheres em idade correspondente com a vida sexual.

O professor americano é contrário a esta ideia e defende a vacinação como o melhor método para combater o câncer de colo de útero. "É melhor prevenir o desenvolvimento do câncer com a vacina. Vale lembrar que muitas mulheres em países em desenvolvimento não tem acesso aos exames [periódicos de papanicolau que detectam lesões pelo vírus]", destacou. Grazziotin lembra que os Estados do Norte do país apresentam as maiores taxas de mortalidade pela doença, exatamente pela falta de acesso ao tratamento.

Vacinas


Existem duas vacinas contra o HPV, a quadrivalente e a bivalente. A quadri cria anticorpos para os dois principais tipos do vírus causadores do câncer (16 e 18) --os mesmos da bivalente --e também para dois tipos que geram verrugas genitais (6 e 11).  A vacina protege contra 70% dos casos de câncer de colo do útero.

A maioria dos países adota no sistema público a vacina quadrivalente. O Reino Unido divulgou no final de 2011 que a partir de setembro deste ano irá substituir a vacina dupla (fornecida desde 2008) pela quádrupla. Segundo pesquisa feita na Austrália, houve redução de 90% das verrugas genitais com a vacinação no sistema de saúde do país.

Para Eleutério Junior, é importante também proteger a população contra as verrugas genitais. “Temos cerca de 30 milhões de pessoas com verrugas todo ano no Brasil. Assim, é de interesse geral vacinar não só para prevenir o câncer, como também a própria DST”, conta.

A vacina, hoje só é fornecida na rede privada e custa cerca de R$ 400 a dose. Ela é aplicada em três doses. Para o governo, cada dose deve sair por US$14 mais impostos. Eleutério destaca que a decisão do governo por uma ou outra vacina deve ser pelo preço mais competitivo.


Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/2012/01/13/homens-tambem-devem-ser-vacinados-contra-hpv-diz-medico.jhtm

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Os perigos de se diagnosticar pela internet

Saiba até onde ela pode te ajudar
       
É muito frequente que nos dias de hoje as pessoas busquem na internet, principalmente no Google, as causas para os seus sintomas, sejam eles uma dor de cabeça, um mal-estar ou uma cólica. Mas, embora haja muita informação disponível, nem sempre é viável ou saudável se diagnosticar e até mesmo se medicar por conta de “achismos”. Mesmo que a “cura” seja natural, como um chá, por exemplo, você pode estar cometendo um grande erro, afinal, você ainda não sabe se está doente, qual é o seu problema e mais: o que realmente você deve ingerir para realmente melhorar.

Para a neurologista Dra. Célia Roesler, Membro Titular da Academia Brasileira de Neurologia e responsável pela Clínica Neurovida, o maior perigo é a pessoa interpretar erroneamente uma informação e já achar que está com uma doença incurável ou contagiosa, ficar apavorada e tomar atitudes precipitadas. “Nós sempre pedimos aos nossos pacientes para não consultarem o ‘Dr. Google’ pelos mesmos motivos já citados acima. Se eles não entenderem como deve ser usada a medicação ou a receita caseira, ou mesmo se o diagnóstico que ele fez estiver errado, eles poderão se dar muito mal. Podem piorar um quadro que poderia ser leve usando uma medicação inadequada. Não podemos deixar de citar que mesmo os medicamentos ditos naturais ou fitoterápicos podem ter muitos efeitos colaterais e muitas interações medicamentosas, portanto, somente o médico poderá dizer se tal medicamento tem ou não indicação para aquela doença”.

Ela ainda ressalta a importância da pesquisa em sites fidedignos, já que todo cuidado é pouco em um “mundo” em que qualquer um pode publicar o que quiser. “Os sites mais confiáveis são os das universidades ou das associações reconhecidas pelo Conselho Regional de Medicina, como o ABRAZ (Associação Brasileira de Alzheimer), o ABRELLA (Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica), o SBCe (Sociedade Brasileira de Cefaleia), entre outros”.

O antropólogo Rafael Logrero explica que este fenômeno, conhecido como “cybercondria”, já ultrapassou as pesquisas em sites e invadiram as redes sociais. “É comum vermos no Facebook, por exemplo, ou até mesmo no Yahoo Respostas, as pessoas perguntando que providências devem tomar diante de determinado sintoma. Embora muitos sugiram que elas procurem um médico, sempre tem alguém que arrisca a dar palpites caseiros, como uma receita da vovó, ou compare com algo que ele ou alguém teve parecido e acabe até indicando um remédio. Isto não pode fazer parte dos nossos hábitos, porque só quem é especialista no assunto saberá o que indicar para esta situação. Este ‘poder’ que as pessoas acham que tem nesta fase cibernética em que vivemos muitas vezes pode criar grandes problemas. E este caso é um dos exemplos disto”.

Até que ponto a internet ajuda no caso das doenças?
Segundo a Dra. Célia, às vezes a pesquisa dos sintomas pela internet até pode ser útil, fazendo com que o paciente procure um médico mais rápido devido a alguma informação importante que encontrou sobre o que estava sentindo. “Pesquisar e consultar não fazem mal. O que não se deve é tomar medicamentos que estão indicando. Cada paciente é diferente, não existe uma única receita para uma única patologia. Nós temos de tratar os doentes e não as doenças”.

Ela conta que muitas vezes o paciente já procura os médicos com matérias impressas, com o seu diagnóstico e a proposta de tratamento. “Isso é muito constrangedor, porque eu, como neurologista, faço uma história muito detalhada de tudo que está acontecendo com o paciente, desde que iniciaram os sintomas, o que ele já fez para isso, quais são os seus antecedentes e os de seus familiares. O que menos me interessa é ver o que ele pesquisou, mas por uma questão de respeito ao paciente eu até leio e teço comentários sobre aquilo. Às vezes até concordo com alguma coisa, mas na maioria das vezes não tem nada a ver”.

Por fim, ela dá mais uma dica: “É comum a pessoa ver o resultado dos seus exames pela internet e quando vê algo diferente da referência do laboratório já fica apavorada, vai consultar o Google, faz uma interpretação errônea, chegando a achar que possa até morrer. Por isso, o ideal seria não olhar os exames, mas sim levá-los ao médico solicitante que irá checar os resultados e orientar o paciente”.

Portanto, atente-se de que por mais que haja curiosidade, preocupação e até mesmo uma busca imediata diante de um sintoma, a internet não é a fonte mais segura para sanar os seus problemas. Saiba utilizar a tecnologia disponível a seu favor de forma consciente, para que assim algo tão valioso não entre em jogo, que é a sua saúde.

Por Priscilla Silvestre



Fonte: http://www.baboo.com.br/conteudo/modelos/Os-perigos-de-se-diagnosticar-pela-internet_a43933_z411.aspx

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Por que eles pensam o tempo todo em sexo?

Pesquisas mostram que a sexualidade é vivida diferentemente pelo homem e pela mulher. O homem, devido à testosterona, tem um desejo sexual constante, podendo ter relações sexuais todos os dias, sem muito esforço. Excita-se facilmente por meio de suas fantasias, pois é a ''mente'' o órgão sexual mais importante que temos. Os órgãos sensoriais também cooperam ativamente neste processo. 

As mulheres, por sua vez, são mais mornas em sua excitação, precisando de estimulação, como carinho, palavras afetuosas, sendo estimuladas também pela capacidade de fantasiar. Quando isso ocorre, a excitação também é intensa. 

Esta diferença entre gêneros ocorre devido à fisiologia de cada um. Na primeira metade do ciclo menstrual, a mulher libera mais estrogênio, hormônio que a deixa mais sensual e permissiva para o ato sexual, pois vai ovular, e seu cérebro prepara o corpo para receber um óvulo fecundado, mesmo que conscientemente ela não tenha este desejo; na segunda metade do ciclo menstrual há o predomínio da progesterona, que a deixa mais quieta, sem muito desejo, pois pode estar iniciando neste período uma gravidez e esta precisa de condições para vingar. 

Os homens, por uma questão de preservação da espécie, são mais afoitos, pois enquanto uma mulher gera um filho ao longo de nove meses, um homem pode engravidar, no mesmo período, muitas mulheres. 

Até aqui estamos falando da nossa condição de animais. Mas o que nos faz humanos é a nossa espiritualidade. O ser humano é a soma do animal e do espiritual juntos. Isso nos tira da condição de animais racionais apenas e nos transforma em seres feitos para o amor. 

Sendo assim, a sexualidade não é apenas um desejo de procriação, mas um ato que une um homem e uma mulher num momento sublime, de total doação e desejo de ser prazeroso para o outro. 

Em qualquer etnia ou época, mesmo ocorrendo grandes repressões, o desejo sexual pela pessoa amada sempre estará presente, em busca de realização efetiva, embalado pelos mais diversos sonhos. 

Mitos e Verdades 

- Mito: homens e mulheres reagem igual à sexualidade 

- Verdade: quem ama quer ser prazeroso para o outro 

Denise Hernandes Tinoco, doutora em Psicologia Clínica, psicoterapeuta e docente


Fonte: http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-27--29-20120105&tit=por+que+eles+pensam+o+tempo+todo+em+sexo